15abr
Seu elogio é minha kryptonita - Paulo Rebêlo

Seu elogio é a minha kryptonita

A todas as poucas pessoas que me elogiaram no passado, posso apenas pedir desculpas aqui por escrito, explicar que não foi por maldade, não foi por desinteresse, foi apenas por autocontrole para não sair correndo para bem longe dessa kryptonita que embaralha minha percepção do mundo.
07abr
Da fofura à gastura - Paulo Rebêlo

Da fofura à gastura

Quando escuto minhas amigas em dúvida se ainda gostam da outra pessoa, eu já sei a resposta, elas também já sabem a resposta, mas a gente senta para beber e concluir o óbvio mesmo assim. O único que nunca sabe de nada é o dito cujo, pois a gente tem essa tendência delirante de achar que as mulheres estão sempre contentes do nosso lado.
27fev
Empatia e conflito entre Rússia e Ucrânia

O planeta empatia e o conflito entre Rússia e Ucrânia

Quinze anos atrás, passei quase dois anos convivendo e compartilhando com tanta gente da Ucrânia, Rússia e todo o Leste Europeu. Isso não me faz especialista em geopolítica, muito menos avalista de conflito bélico, mas infelizmente me aproxima de pessoas que passei a querer muito bem e que me ensinaram muito, mas muito mesmo.
06fev
A gente ama quem a gente é - Paulo Rebêlo

A gente ama quem a gente é ou a gente ama quem a gente queria ser?

Nossas diferenças pareciam gritantes, mas o universo ficava mudo diante de um abraço. Súdito do silêncio que sou, aprendi a admirar a suficiência de abraços assim. Infelizmente para mim, e felizmente para os homens que vieram antes e os homens que virão depois, essa suficiência sempre parece muito pouco para muitas pessoas.
06jan
Sanduíche americano do sul - Paulo Rebêlo

Memórias de sanduíche americano do sul

A idade me trouxe um pouco de parcimônia para me controlar e não quebrar na porrada todos os dentes dos jovens que voltam do exterior espantados que lá fora ninguém fala "ecs burguer" e que só no Brasil se usa o termo x-burguer no sanduíche.
23out
Enquanto houver estrada - Paulo Rebêlo

Cansado de esperar o cansaço

A estrada ficou mais longa, as pessoas ficaram mais distantes. As reuniões continuam inúteis, os doguinhos continuam abandonados, o espetinho continua borrachudo, a pizza continua ruim e até os jagunços são os mesmos; pois agora são os filhos daqueles que há 25-30 anos sentavam ao meu lado com a faca na cintura.