Paulo Rebêlo
Folha de Pernambuco – 15.fevereiro.2006
 

Quando você digita um endereço no navegador, do tipo www.nomedaempresa.com.br, é quase como entrar em uma casa alheia. Chamado de domínio, essas locações do tipo .com., .com.br, .org.br ou .net, nada mais são do que meros registros que, automaticamente, redirecionam para as páginas criadas. Qualquer um pode garantir um espaço próprio, seja para divulgar a empresa ou, quem sabe, reunir a família inteira para que todos tenham um e-mail do tipo maria@sobrenome.com.br. E o melhor: além de barato, é bem fácil.

Hoje em dia, estudantes e profissionais buscam, cada vez mais cedo, reservar um espaço fixo e personalizado na web. A partir de um nome fácil de decorar e digitar, você pode mostrar seu trabalho para o mundo ou sua empresa para clientes e parceiros. E tudo pode ser feito online, sem maiores burocracias e demoras. A Verisign, responsável pelo registro de .com e .net, contabiliza 85,6 milhões de domínios no mundo , um número que só faz crescer a cada ano.

De 2004 para 2005, o crescimento no registro de domínios foi de 29%. “Por dia, temos mais de 15 bilhões de resoluções (chamadas) em nossos servidores, isto é, o que o usuário digita no navegador vai até nossos servidores e retorna com o espaço correto”, explica a gerente de marketing e estratégia de negócios da Verisign, Érica Saito, durante uma apresentação da empresa no Recife. Confira, a seguir, como adquirir seu terreno virtual.

Reserve a sua vaga .com.br na web –

Quando você pensa em manter um site com seu nome na web, há duas opções: usar um serviço gratuito, geralmente oferecido por provedores de acesso ou conteúdo; ou reservar um domínio próprio e personalizar a gosto, tendo total controle sobre o que irá aparecer e podendo escolher a melhor empresa para hospedar as páginas. Hoje em dia, é bem fácil ter uma “casa própria” na web, sem burocracias. No País, a responsável pelo registro é a Registro.br, órgão vinculado ao Comitê Gestor da Internet no Brasil. Por ela, você pode registrar .com.br, .org.br, .net.br e domínios voltados a profissionais liberais, como .adv.br (advogados), .jor.br (jornalistas), .imb.br (imobiliárias) e tantos outros. No entanto, também é possível fazer o registro nos Estados Unidos para domínios .com, .net ou .org, com menos restrições, desde que o pagamento seja efetuado por cartão de crédito internacional.

Para o consultor Ricardo Vaz Monteiro, a escolha do domínio é uma das tarefas mais importantes associada a um site. “Infelizmente, essa escolha não tem sido levada em consideração pela enorme influência que exerce”, lamenta. Quem escolheu bem foi o webdesigner Rodrigo Medeiros, para construir um blog mais profissional e, ao mesmo tempo, compartilhar o portfolio de trabalhos na web. “Com o registro, pude colocar tudo dentro do meu site, o que facilitou a manutenção, a criação de outras telas etc. Além de ter a liberdade de criar, testar e brincar com as ferramentas disponíveis na internet”, explica o dono do rodrigomedeiros.com.br

SERVIÇO
Brasil – http://www.registro.br
EUA – http://www.networksolutions.com

APRENDA A REGISTRAR SEU DOMÍNIO

Para garantir seu espaço, a página do Registro.BR é o local. O site permite que você pesquise a disponibilidade do nome e crie sua conta ali mesmo, online, clicando na opção “registro”. No Brasil, só detentores de CNPJ (pessoa jurídica) podem registrar .com.br. Pessoas físicas devem escolher as opções para profissionais liberais, como .adv.br ou imb.br. Nos Estados Unidos, até mesmo pessoa física pode registrar um .com, .org ou .net, mas o custo é maior.

No Registro.BR, a taxa de registro é de R$ 30, sendo pago o mesmo valor anualmente. Nos EUA, o preço varia entre US$ 10 e US$ 35 por ano, a depender do plano escolhido. Quem paga por dez anos de uma só vez, arca com US$ 14,99 anuais. Depois que você registrar seu espaço, é hora de procurar uma empresa para hospedar o seu empreendimento, ou seja, para onde você vai mandar as páginas com o seu site propriamente dito e receber as contas de e-mail.

Se mesmo assim você achar complicado, saiba que cada empresa de hospedagem tem diferentes planos e serviços, inclusive, com pacotes que já incluem a parte mais burocrática do registro. Em outras palavras, você paga a taxa anual e a mensalidade para empresa e ela faz todo o serviço. No Recife, provedores de acesso, como Terra, Truenet, Hotlink também fazem, a partir de R$ 14 mensais.

Algumas empresas de hospedagem

No Brasil
www.hotlink.com.br 
www.truenet.com.br 
www.nlink.com.br 
www.dominal.com 
www.gigahost.com.br 
www.prolinkweb.com 

Nos EUA:
www.hostrocket.com 
www.dreamhost.com 
www.emaxhosting.com 
www.websitesource.com 
www.lunarpages.com 

Registre seu domínio

1. Para terminações .br, pesquise a disponibilidade em http://www.registro.br 
2. Outras terminações, veja em www.register.com ou networksolutions.com
3. Se for registrar .com.br, é preciso ter um CNPJ
4. Faça o registro online, a taxa é de R$ 30 anuais
5. Se preferir, contacte uma empresa de hospedagem para o registro
6. Registro no exterior não exige CNPJ para .com, .net ou .org

Endereços podem ter acento e cedilha

Pouca gente sabe, mas a internet já reconhece acentos e cedilha nos e-mails e endereços de sites. Ainda é incomum e pouco utilizado mas, na opinião do consultor Ricardo Vaz Monteiro, a tendência é a popularização do serviço. Autor do livro Escolha seu .com, considerado o guia definitivo no Brasil sobre domínios na internet, Monteiro sugere que, se for para registrar, o ideal é ter as duas versões: com acento e sem acento.

Segundo o autor, “a dica mais importante é registrar as versões acentuadas no Brasil (.com.br) e no exterior (.com), porque o internauta muitas vezes não sabe se o domínio tem .br no final ou não. Caso o usuário não planeje montar um site agora, ele deve correr e, pelo menos, reservar o endereço para que outra pessoa não registre antes”, sentencia. Opinião similar tem o programador Marcelo Berenguer, que gerencia vários sites de domínio próprio. “Um domínio tem que ser de fácil compreensão e digitação, deve-se colocar palavras que identifiquem seu negócio e de preferência nomes curtos, para facilitar a vida das pessoas”, opina Berenguer.

O Registro.BR já faz o registro de domínios com acento e cedilha. No entanto, nem todos os programas são compatíveis com a nova nomenclatura. Para os navegadores, apenas o Firefox identifica corretamente os endereços acentuados. No Internet Explorer 6.0, é preciso usar um plug-in (programa externo), chamado INAV. Vaz Monteiro acredita que, somente quando a Microsoft lançar o Internet Explorer 7.0, que terá suporte nativo a domínios acentuados, é que a procura irá crescer bastante. “Afinal, a fatia de mercado do Firefox no Brasil ainda é bem pequena, apesar de consistente”, explica.

SERVIÇO
www.nomer.com.br 
www.escolhaseu.com