Montreal vive crise depois de perder dois prefeitos suspeitos

Paulo Rebêlo Folha de S. Paulo – 31.agosto.2013 (link) Quando Michael Applebaum, 50, assumiu a Prefeitura de Montreal, em novembro de 2012, renovou as esperanças de muitos canadenses que se mostravam fartos com a corrupção que assolava a Província de Québec. Mas quando Applebaum foi preso, na própria prefeitura, oito meses depois, ninguém mais tinha palavras para descrever o que estava acontecendo na cidade. Com 1,7 milhão de habitantes, Montreal é a segunda maior cidade do Canadá, atrás de Toronto. A renúncia do prefeito e a prisão do interino, meses depois, abalou as estruturas políticas de um país até então considerado um dos menos corruptos do mundo. Ex-corretor de imóveis, Applebaum entrou para a política em 1994, eleito ao Conselho Municipal. Em 2001, foi eleito prefeito de uma municipalidade de Montreal. Sua ascensão ganhou impulso graças ao prefeito, Gérald Tremblay, que o indicou pro Comitê Executivo de Montreal, um colegiado que controla o orçamento e leis municipais. Dois anos depois, Tremblay promoveu Applebaum a chefe do grupo. O prefeito renunciou em novembro do ano passado, sob acusações de corrupção –que ele nega. Applebaum assumiu interinamente, tornando-se o primeiro prefeito anglófono na francófila Québec em cem anos e o primeiro judeu

texto completo

Em Montreal, manifestação reúne 150 em apoio a protestos no Brasil

Paulo Rebêlo Folha de S. Paulo – 16.junho.2013 (link) Mesmo debaixo de muita chuva, a comunidade brasileira em Montréal, no Canadá, reuniu cerca de 150 pessoas para protestar em frente ao Consulado Brasileiro na Westmount Square, durante a tarde do domingo (16). O movimento “Democracia não tem fronteiras” fez a mobilização por meio das redes sociais e uma caminhada, que saiu às 13h30 da praça do Canadá e seguiu até o Consulado. A manifestação ocorreu de forma pacífica e sem imprevistos. Ao chegar no edifício comercial onde fica o Consulado Brasileiro, os manifestantes cantaram o hino nacional, tiraram fotos e tentaram explicar as motivações do movimento aos curiosos que passavam no local e também para a imprensa de Montréal, presente no local. Foi um protesto simbólico, já que o Consulado não abre ao público nos finais de semana. Os manifestantes se concentraram do lado de fora. Como prevê a lei canadense, o protesto foi comunicado com antecedência às autoridades locais, que permitiram sua realização. Duas viaturas da polícia acompanharam todo o percurso. A brasileira Marcela Sanches foi uma das responsáveis pela organização do evento. Para ela, a manifestação serviu para mostrar “que é possível se manifestar sem ser agredido”. “Se

texto completo

Panda anarquista

Professor se fantasia de urso e vira sensação em protestos no Canadá Paulo Rebêlo, colaboração de Montréal Folha de S. Paulo – 05/junho/2013 — O canadense Julien Villeneuve vive uma vida dupla. Professor de filosofia, ele se “transforma” num urso panda durante os protestos que pedem mais investimentos e menos cortes na educação do Canadá –causando comoção a ponto de se tornar o “mascote” extraoficial desses atos. O professor ficou conhecido como Anarcopanda –apelido surgido a partir dele próprio, que se considera um “anarcopacifista”. Dentro da fantasia, Villeneuve tenta abraçar estudantes e policiais durante as manifestações. Suas aparições na mídia em meio aos protestos, que chegaram a reunir 500 mil pessoas em Montréal no ano passado, ajudaram a chamar a atenção de governo e sociedade para a violência policial. Trata-se de um problema que muita gente nem sequer imagina existir no Canadá, país reconhecido mundialmente pelo alto padrão econômico e social –é o 11º no Índice de Desenvolvimento Humano da ONU, em que o Brasil ocupa a 85ª posição. “A repressão policial ganhou proporções insanas: gás de pimenta, cassetetes, balas de borracha”, diz o professor em entrevista à Folha. Ele conta que, em 2012, os estudantes de Québec, província canadense

texto completo

Terrorismo: mistério paira sob o Canadá

Uma semana após a prisão de dois supostos terroristas, pouco se sabe sobre ligação com a rede Al-Qaeda Paulo Rebêlo Jornal do Commercio 28.abril.2013 MONTREAL – Seis dias após a prisão de dois suspeitos de terrorismo no Canadá, o país continua dividido entre a aparente tranquilidade e os mistérios crescentes sobre os dois homens detidos pela polícia: Chiheb Esseghaier, 30 anos, natural da Tunísia e residente de Montreal, na francofônica província de Quebec, e Raed Jaser, 35, natural dos Emirados Árabes Unidos, preso em Toronto (Ontario), centro econômico do país. Ambos foram detidos na última segunda-feira, acusados de planejar um atentado contra um trem de passageiros que faz o percurso Toronto-Nova Iorque, após investigação bilateral entre Canadá e Estados Unidos. Os dois países alegam vínculos dos dois com a rede terrorista Al-Qaeda. Enquanto parte dos canadenses critica a conhecida flexibilidade das leis de imigração, especialistas em segurança questionam a imputabilidade do governo sobre as informações públicas e o banco de dados de imigrantes. Residentes de todas as nacionalidades se preocupam sobre um eventual surto de xenofobia, principalmente com imigrantes de países árabes. Não à toa, o primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper, durante a semana fez questão de agradecer em rede nacional

texto completo

Site Footer

Sliding Sidebar

Instagram