Lembranças de uma peladinha, no bom sentido

Paulo Rebêlo // junho.2006 As mulheres talvez nunca compreendam a magia que o futebol proporciona ao ego bronco-masculino. Por mais perna-de-pau que seja, todo macho já foi boleiro um dia. Até chegar o momento em que ele acorda e percebe que existe vida (e contas a pagar) fora dos campinhos de barro. A secura infanto-juvenil pela bola desconhece limites. Contraria os preceitos da Física, debocha das leis (pai e mãe) e é uma verdadeira escola superior para qualquer pretendente a MST.

texto completo

Perdão de pecador

Paulo Rebêlo // janeiro.2005 Naquele 31 de dezembro, Melancia finalmente teria uma tarde de alforria para tomar um aperitivo com os amigos. Fazia tempo que não encontrava os papudinhos do bairro, pois o trabalho o consumia quase por completo e, ao chegar em casa, tinha os guris e a esposa para gerenciar.

texto completo

O galo belzebu e o duelo de titãs

Paulo Rebêlo // junho.2003 A rotina é conhecida, resultado de freqüentes noites insones em que o olho simplesmente não quer fechar, nem com esparadrapo. Cinco horas da manhã. Com todas as cortinas do cafofo fechadas e todas as luzes apagadas, em uma pueril tentativa de enganar o próprio inconsciente, ainda tento acreditar que é noite, que conseguirei dormir algumas poucas horas antes de o mundo começar a girar.

texto completo

Site Footer

Sliding Sidebar

Instagram