Categories CrônicasPosted on

Manifesto ninfetas assassinas

Paulo Rebêlo | fevereiro.2009As mulheres não entendem a mania de homem largar tudo por uma ninfeta. Que fique registrado: a gente também não.Nem sempre largamos uma pela outra e quase sempre voltamos. Dois peitinhos apontados para o céu até chamam a atenção, mas futilidades o vento leva rápido. ...
Categories CrônicasPosted on

Uma mesa de pôquer

Paulo Rebêlo // março.2007Por um motivo alheio à razão de quem joga, pôquer é um jogo que encanta os homens rapidamente e, na mesma proporção, não exerce a mesma influência nas mulheres. Tem gente que tenta procurar a relação do pôquer com futebol ou automóvel, até agora sem sucesso, para explicar...
Categories CrônicasPosted on

Carnaval dos Casados

Paulo Rebêlo // fevereiro.2006Não é novidade que carnaval é tempo de libidinagem. É o júbilo das pessoas solteiras. O problema é que só funciona desse jeito, ou seja, para quem é solteiro. Outro dia, um colega sugeriu juntar a reca dos pobres-coitados e fazer um carnaval de casados, onde as pessoa...
Categories CrônicasPosted on

Perdido na noite

Paulo Rebêlo // maio.2004É incrível como todo mundo quer se dar bem no sábado à noite. Coisa meio sobrenatural. Não importa o lugar ou a pessoa. Tem gente que passa horas dançando na boate e não admite voltar para casa sem conseguir ao menos uma beiçada. Quando não consegue, é quase como ter perdi...
Categories CrônicasPosted on

Mudança, filhos e futricos

Paulo Rebêlo // agosto.2003O trabalho que dá para empacotar, arrumar e transportar até a nova casa, ciente de que depois será preciso desempacotar e arrumar tudo novamente, faz pensar: por que não guardamos nossas coisas em caixas? Seria tão mais prático.Era só escrever: essa aqui é a roupa, aqu...