Ambivalência alfandegária e a cota de 500 dólares

Paulo Rebêlo Webinsider 13-dez-2013 link A ineficiência do controle alfandegário nos aeroportos é reconhecida pelos próprios agentes e inspetores da Receita Federal. Mesmo assim, todo fim de ano eles estufam o peito para divulgar o início das operações especiais de fiscalização nas bagagens. De novo. Curioso que é justamente uma época do ano quando ninguém encontra muambeiro profissional entrando no país. Além dos desavisados e amadores, vão fiscalizar e multar centenas de famílias em férias por um punhado de dólares. Enquanto isso, milhões de verdinhas em muamba, tráfico e produtos danosos à saúde pública entram no país e são vendidos diariamente nas lojas de grife depois de uma singela troca de etiqueta. E fica por isso mesmo desde sempre. Vamos refletir juntos. A cota de 500 dólares é um atraso, não há dúvida. Beira o folclore. Mas, é a lei. E enquanto lei, precisa valer para todo cidadão brasileiro, quer a gente goste ou não. Eu também não gosto. Acho um retrocesso, uma burrice econômica e um peleguismo junto ao nosso empresariado brasileiro que está sempre dois passos atrás do resto do mundo. Sendo assim, prefiro mil vezes ser multado do que ver tanta gente passando pela fiscalização com oito

texto completo

Gringo é a mãe

Paulo Rebêlo Terra Magazine * 08.fevereiro.2011 Eu aceito – e entendo – quando ninguém do hemisfério norte acredita que sou brasileiro. Com a benção do futebol e das globelezas, os estereótipos de 500 anos seguem firmes e fortes por mais 500. Só nunca vou aceitar – e nem entender – como o Brasil tem metade da população de cor branca e, a esta altura do campeonato, já com meus primeiros fios brancos da barba à paisana, eu ainda precise explicar que não sou gringo. Jogue-me no pelourinho ou na praia. Em qualquer ponto turístico. Até no Piscinão de Ramos. Se eu não fosse tão baixinho e buchudinho, sairia no tapa com o primeiro cidadão que tenta me vender uma rede fuleira por duzentos reais ou um acarajé seboso por cinco euros. Quase nunca vou à praia. Pelo mesmo motivo que não como caranguejo. Não é alergia, é apenas preguiça. De me explicar pela milionésima vez e de bater o martelinho mil vezes. Quando vou a qualquer praia, basta puxar meu Sundown fator 50 ou tirar minha camisa de botão. Parece uma sirene do Samu, o vendedor vem correndo em minha direção. Para oferecer uma caipirinha. Aparentemente, vendedor de praia não percebe

texto completo

O selvagem da bicicleta

Conheço um rol de tiozinhos que até hoje choram por dentro quando escutam a música Born to be wild. Aos incautos, é um heavy metal de 1967, sucesso dos canadenses do Steppenwolf. Mexe com os brios de todas as gerações desde então. As de ontem, choram pela liberdade pela qual tanto esperaram conseguir um dia. E as de hoje choram pela liberdade que nunca tiveram na vida. Quando toca a música, eles pensam em jogar tudo para o alto, subir numa motoca e pegar a estrada. Sem rumo e sem expectativa. É quando o interfone toca e interrompe o delírio. É o entregador da farmácia trazendo o remédio para a febre das crianças. Ou para o seu colesterol que atingiu o Everest de novo. A cada dia que passa, fazer uma mochila e pegar a estrada, apenas pelo prazer de não saber o que encontrar, tornou-se um elixir impossível para as pessoas normais. Disponível apenas para selvagens. O por quê, ninguém sabe. Ou sabem e não querem admitir. Verdade, não temos a Harley Davidson do Peter Fonda e do Dennis Hopper. Nem somos selvagens feito o Mickey Rourke em cima daquela moto envenenada de Rumble Fish. Mas não precisa. A gente pode

texto completo

A noite da centolla

A noite da centolla em Ushuaia - Paulo Rebêlo

Conheci um portenho e ele disse: se você realmente vai até Ushuaia, experimente a centolla. É uma iguaria típica daquela região de Tierra del Fuego e ali é o melhor lugar do mundo para comê-la. Nunca ouvi falar em centolla. Achava que conhecia um pouco de mundo, mas cá estava eu sem fazer a menor idéia que bicho era aquele e onde eu poderia encontrá-lo. Tudo se tornou supérfluo. Porque agora eu só pensava na centolla.

texto completo

Envelhecendo na cidade

Se a gente não acompanha uma cidade em seu próprio ritmo, nada será como antes. É como um casal que se divorcia pedacinho por pedacinho, a cada dia, a cada detalhe renegado.

texto completo

Miami: belezas naturais, praia, muamba e latinidade

Paulo Rebêlo * Diario de Pernambuco 18.novembro.2008 Miami (EUA) – Ícone do turismo internacional, há tempos que Miami não quer mais ser conhecida como paraíso da muamba e mera porta de entrada para a Disney. Difícil, contudo, é deixar de lado o estigma de não ser uma cidade “tipicamente” americana. Numa das metrópoles mais mescladas dos Estados Unidos, o idioma torna-se um detalhe. Não se assuste quando as pessoas falarem com você, primeiramente, em espanhol. Se fizer uma careta de quem não entendeu, elas tentam engrenar o inglês. Com cerca de 410 mil habitantes, Miami é a América Latina traduzida para gringo. A exemplo de diversas outras concentrações urbanas dos Estados Unidos, a maioria dos empregos braçais são ocupados por latinos, legais e ilegais. De acordo com o último censo, a comunidade hispânica (incluindo descendentes) responde por nada menos do que 80,8% da população, entre brancos e negros. Destes, quase 35% são de Cuba. Outras nacionalidades expressivas vêm da Nicarágua, Haiti, Honduras e Colômbia.

texto completo

Turismo valorizado em Chicago

Paulo Rebêlo Diario de Pernambuco 05.outubro.2008 Chicago – A terceira maior cidade dos Estados Unidos, atrás apenas de Los Angeles e Nova Iorque, pouco ou nada precisa fazer para atrair turistas e dinamizar a economia. Nem por isso o governo local parece desmerecer o papel do Convention Bureau de Chicago, capital da arquitetura, com quase três milhões de habitantes.

texto completo

Recife-Miami por US$ 700 a partir desta sexta-feira

TURISMO // Tarifa promocional da American Airlines, que estréia vôo direto, vai até novembro Paulo Rebêlo Diario de Pernambuco – 29.setembro.2008 MIAMI – Seis horas e US$ 700 separam o Recife de Miami a partir da próxima sexta-feira. A tarifa promocional da American Airlines, que começa a operar o vôo diário e sem escalas para os Estados Unidos, tem validade apenas até o final de novembro. Depois, o preço duplica e pode chegar a US$ 1.400 a depender das datas de viagem.

texto completo

Pernambuco reduz distância dos EUA

VÔOS // Novas rotas entre o Recife e Miami facilitam negócios Paulo Rebêlo * Diario de Pernambuco – 26.setembro.2008 MIAMI – Nove anos depois de perder os últimos vôos diretos para os Estados Unidos, o Nordeste volta a contar com duas novas rotas a partir do fim deste ano. Pela American Airlines, a distância entre Recife e Miami será de apenas seis horas sem escalas. Apenas na volta há uma parada em Salvador. E em 2009, a Delta fará a ligação com Atlanta, no coração dos EUA e locação crucial para quem deseja fechar novos negócios ou visitar outras regiões na América do Norte.

texto completo

Site Footer

Sliding Sidebar

Instagram