Anormais

A ciência tem muito a aprender com o carnaval brasileiro. Durante os dias de folia, a sociedade se divide (por conta própria) em pessoas normais que vão brincar carnaval ou aproveitar o feriadão viajando; e as pessoas anormais que ficam em casa e trabalham sem ninguém pedir ou querem fugir da esbórnia momesca. Poderia ser simples assim, mas não é. Fulano passa o ano inteiro sedentário, não sobe sequer um andar de escada quando falta luz no edifício (melhor esperar fumando na portaria) e, durante o carnaval, o mesmo ser humano dorme apenas quatro horas por dia e passa cinco dias subindo e descendo ladeira, pulando atrás de trio-elétrico por oito horas seguidas, não faz nenhuma refeição decente e vive apenas comendo batata frita e coxinha de aquário. No dia seguinte a criatura está inteirinha da silva, zero bala, já acorda fantasiada, gritando e pulando igual ao boneco Chucky do Brinquedo Assassino, aparentemente entalado de pilhas alcalinas e metanol nas entranhas. Como isso pode ser normal? A televisão já produziu o Hulk – era um cientista antes do acidente no laboratório – mas até hoje a nossa ciência não descobriu de onde essas pessoas normais, que brincam carnaval, tiram tanta energia do nada. Agora

texto completo

Tamiflu, medicamento contra gripe suína, é muito pouco explicado

Paulo Rebêlo Diario de Pernambuco | 09.ago.2009 Entre o ano 2000 e outubro de 2006, somente no Japão morreram 54 pessoas em decorrência de supostos efeitos colaterais relacionados ao medicamento Tamiflu. Entre elas, 16 eram crianças ou adolescentes e em boa parte dos óbitos há indícios claros de tentativas de suicídio. Os números são públicos e fazem parte do banco de dados do Ministério da Saúde daquele país. Em 2007, o governo japonês proibiu de vez a ingestão de Tamiflu por menores de idade, depois que novos dois casos foram relatados às autoridades sobre adolescentes que pularam do segundo andar enquanto se tratavam com Tamiflu. Relatos parecidos também são encontrados em outros países, embora até hoje ninguém tenha conseguido comprovar cientificamente uma relação direta. Enquanto isso, o Tamiflu continua a ganhar novos mercados, principalmente em países subdesenvolvidos que somente agora, com a epidemia da gripe suína, estão conseguindo importar ou comercializar o remédio que, por sinal, não é barato. O Tamiflu é o mesmo remédio que tem sido encarado pelo governo brasileiro como o santo graal da luta contra a gripe suína. Os médicos protestaram contra as limitações e o governo cedeu. Hoje, qualquer médico pode receitar o Tamiflu de acordo

texto completo

Gripe suína: Tamiflu vira manchete, mas pouco ou nada se sabe

Paulo Rebêlo | 04.agosto.2009 Knight Center for Journalism Quanto mais casos de morte por gripe suína são reportados na América Latina, maior é o tom alarmista da imprensa e menor é o real conhecimento da população sobre variáveis presentes na cobertura. Da noite para o dia, o nome do remédio “tamiflu” ganhou as principais manchetes, diariamente, de jornais, revistas e televisão. Mas na maioria dos países latinos, pouco ou nada se ouviu falar sobre o medicamento até agora. Excetuando-se reportagens isoladas e específicas sobre saúde, publicadas no passado e sem vínculo algum com a gripe suína, o Tamiflu é uma grande novidade para a maioria da população que desconhece esse remédio tão popular nos Estados Unidos. Por que? Ninguém sabe explicar ao certo e, até agora, a imprensa tem falhado em ir além do noticiário factual. Críticas sobre potenciais efeitos adversos do Tamiflu também estão fora das manchetes, mesmo quando há precedentes até hoje pouco explicados, como mostra uma reportagem do Japan Times publicada no dia 20 de março de 2007. O Japão é o país que mais compra Tamiflu e há dezenas de casos de suposto suicídio por pacientes que usavam o medicamento. Estudos sobre efeitos colaterais do Tamiflu em crianças e efeitos nocivos à pele também

texto completo

Quando comer vira doença

Para um comedor compulsivo, parar é um processo complicado. Frequentadores de um grupo de ajuda contam suas dores e experiências à mesa. Paulo Rebêlo Diario de Pernambuco 01.março.2008 Lucélia Maria não resiste aos doces e às massas. Ela não sabe quando parar. Mesmo quando não tem fome. Depois do jantar, a família inteira se levanta, mas ela só sai da mesa quando termina a última fatia do bolo. “Quando como apenas uma ou duas fatias, é uma vitória. Se deixarem na minha frente, como o bolo inteiro, qualquer dia, qualquer hora”, confessa. Para controlar o peso, Maria Cláudia cozinha e guarda a comida congelada em pequenos potes. Cada pote tem o suficiente para uma refeição. Dois dias antes de conversar com a reportagem do Diario, admitiu ter olhado para o pote na hora do almoço e pensado: “só vou comer isso hoje? É tão pouco!”. Comeu o triplo do que deveria e passou o resto do dia com sentimento de culpa. Encarou como uma derrota de vida.

texto completo

Lula ataca postura de médicos

Presidente socorreu Eduardo Campos ao questionar os profissionais de saúde que com movimento grevista prejudicam a população Paulo Rebêlo Diario de Pernambuco – 05.set.2008 Petrolina – Sem verbalizar o nome do estado de Pernambuco, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou abertamente o movimento grevista dos médicos. De modo contundente e quase aos gritos, deixou a modéstia de lado ao se considerar o melhor sindicalista do Brasil nos anos 70, mas que “sempre teve dúvida sobre greve de médico e de metrô, porque quem paga a conta é o mais pobre”. A crítica direta foi o auge do evento de inauguração do campus da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), ontem à tarde, em Petrolina. O presidente discursou após o governador Eduardo Campos (PSB), que não fez referência à crise na saúde.

texto completo

Banheiros fantasmas

DESVIO // Pelo menos R$ 74 milhões do governo, destinados a obras sanitárias em regiões carentes, foram para o ralo Paulo Rebêlo // Diario de Pernambuco * Alana Roriz // Do Estado de Minas * 26.agosto.2008 A pompa dada pelo poder público para definir um dos itens mais básicos de saúde, o banheiro, não se mantém na hora de controlar e fiscalizar os milionários repasses para os “módulos sanitários domiciliares”. Na segunda reportagem da série sobre a sangria com o dinheiro da saúde, o Estado de Minas/Diario de Pernambuco mostram que do R$ 1,6 bilhão destinados à área, fiscalizados pela Controladoria-Geral da União (CGU), pelo menos R$ 74,8 milhões sumiram em banheiros por todo o Brasil. Foram identificadas obras inacabadas, inutilizadas, problemas nas licitações e despesas com os convênios sem qualquer tipo de comprovação. A CGU encontrou também banheiros construídos em bares, igrejas, estabelecimentos comerciais e em casas de pessoas de classe média ou que já tinham um banheiro funcionando. O preço de cada módulo varia entre R$ 800 e R$ 2,5 mil no papel.

texto completo

A preocupação comum de homens e mulheres

PESQUISA // Recifenses apontam saúde como principal problema para o próximo prefeito resolver Paulo Rebêlo Diario de Pernambuco – 10.agosto.2008 A segunda parte da pesquisa realizada pelo Grupo de Estudos do Macroambiente Empresarial de Pernambuco (Gemepe), ligado à Faculdade Frassinetti do Recife (Fafire), revela quais os principais anseios da população, em subcategorias. Desta vez, os entrevistados foram classificados por faixa etária, sexo, nível de escolaridade e ocupação. A primeira parte, com os números gerais relativos a Recife, Olinda, Jaboatão e Paulista, foi publicada pelo Diario na edição do último domingo.

texto completo

O caos da saúde

Desafios do próximo prefeito // População do Recife ainda sofre sem condições adequadas de atendimento médico de rotina e urgência Paulo Rebêlo Diario de Pernambuco – 10.agosto.2008 A situação é conhecida. O paciente sai de casa em busca de atendimento de urgência e, ao chegar ao posto de saúde ou a policlínica municipal, é encaminhado a um hospital de referência do estado. E lá encontra filas enormes e uma unidade sem estrutura para atender a demanda por atendimento, assim como os jornais noticiam rotineiramente. Isto quando não vai direto para um hospital de referência ao lembrar de suas experiências anteriores nas dependências municipais.

texto completo

Os problemas do cidadão recifense

Desafios // Pesquisa da Fafire mostra que saúde e segurança preocupam mais a população Paulo Rebêlo Diario de Pernambuco – 03.agosto.2008 Todo candidato garante conhecer os problemas e anseios da população. Em certas ocasiões, beiram a soberba. Os números e pesquisas pelos quais costumam gerar seus planos de governo, contudo, raramente são publicados. A fim de tentar preencher uma lacuna informativa sobre os desafios para os próximos prefeitos da Região Metropolitana do Recife (RMR), o Grupo de Estudos do Macroambiente Empresarial de Pernambuco (Gemepe), ligado à Faculdade Frassinetti do Recife (Fafire), acaba de divulgar um amplo levantamento sobre a percepção dos habitantes e suas principais dificuldades como cidadãos.

texto completo

Site Footer

Sliding Sidebar

Instagram