Categories CrônicasPosted on

As mulheres que nós (ainda) amamos

Paulo Rebêlo // março 2009 *De todas as peculiaridades femininas, há três quase sobrenaturais que nem a ciência ou a psicologia haverão de explicar aos homens.Seis meses é todo o tempo necessário para uma maravilhosa mulher se transformar em outra nem tão maravilhosa assim. Em seis meses elas g...
Categories CrônicasPosted on

Mulheres que roncam

Paulo Rebêlo | outubro.2008Mulher que ronca é um charme. Somente as mulheres que roncam sabem dar valor ao merecido descanso do guerreiro. Sobretudo após longas batalhas de uma tarde de sábado com cerveja, caju amigo e feijão preto....
Categories CrônicasPosted on

Novos tempos, novas táticas de conquista (online)

Paulo Rebêlo // junho.2005Às vésperas do Dia dos Namorados, o apelo comercial da data não é novidade para ninguém. Ao mesmo tempo, a ladainha dos solitários de plantão não surpreende, sobretudo quando se origina daquelas pessoas que não admitem passar mais um dia dos namorados sem companhia. É com...
Categories CrônicasPosted on

Pílula do Esquecimento

Paulo Rebêlo // maio.2005Muita gente gostaria de voltar no tempo. Para consertar quebradeiras, acertar o que deu errado, tentar de outro jeito, não deixar aquela pessoa ir embora. Como a viagem no tempo só existe nas fórmulas matemáticas dos físicos, o jeito é esperar que a ciência consiga inventa...
Categories CrônicasPosted on

Como acabar um relacionamento

Paulo Rebêlo // fevereiro.2005Existem centenas de livros sobre sexo, manuais da conquista, dicas para arrumar namorado(a) e até magias e produtos que garantem deixar qualquer uma apaixonada por você. Nessas horas, todo mundo é Dom Juan e diva da MPB. Arrumar namorada é fácil; esposa, mais fácil ai...
Categories CrônicasPosted on

Reencontros Dialogados

Paulo Rebêlo // setembro.2004Reencontro talvez seja o momento mais delicado e emocionalmente complexo na vida relacional de uma pessoa. É quando você tem o mundo em suas mãos durante poucas horas para em uma fração de segundos sentir tudo esmorecer entre os dedos. É difícil dizer o que apavora mai...