Como checar o conteúdo divulgado em redes sociais

Paulo Rebêlo Observatório da Imprensa – 08.julho.2014 link Acaba de sair a edição em português do Manual de Verificação (Verification Handbook), uma ferramenta poderosa para validar, certificar e utilizar conteúdo, relatos, fotos e vídeos compartilhados pelas pessoas na selva da internet e das redes sociais. Gratuito e disponível em vários formatos, inclusive podendo ser lido online, direto no navegador, o Manual é produzido pelo Centro Europeu de Jornalismo (EJC) e foi lançado em inglês em fevereiro. A edição em português do Brasil é a primeira tradução oficial em outro idioma. Em situações críticas, as redes sociais ficam sobrecarregadas de boatos e relatos em primeira pessoa. Algumas dessas informações são verdadeiras, mas uma grande parte é falsa, especialmente quando ocorrem manifestações ou conflitos. O Manual é um guia definitivo para ajudar jornalistas a criar uma sistemática de apuração, tapando buracos recorrentes no processo de verificação de dados. Em linguagem didática e com muitos exemplos e estudos de caso, o livro foi escrito por jornalistas de instituições como BBC, Digital First Media, ABC e Storyful, além de outros especialistas em comunicação e tecnologia. Para baixar o arquivo para seu computador e começar a usá-lo, os links oficiais são: >> PDF – http://goo.gl/0XSC13 >> EPUB – http://goo.gl/BnTNNA >> Kindle – http://goo.gl/5bAKzh >>

texto completo

Jornal diário: reforma não sai porque o gesso não quebra

Paulo Rebêlo Observatório da Imprensa, ed. 743 23.abril.2013 (link) Reforma é quando jornal resolve enxugar custos na planilha, espaço no papel e funcionários na mesa. Às vezes, também atende pelo nome de inovação. Não existe reforma porque jornal ainda não pretende reformar nada. Falta interesse e conhecimento para mexer no status quo, embora o discurso para público, acionistas, funcionários e colaboradores seja outro. Um jogo de cena conhecido – e alimentado – por quem dele faz parte. Uma reforma, de fato, significa quebrar tabus quase religiosos dessa instituição chamada jornal diário. E o principal tabu é o gesso. Você tem três fotos excelentes para a matéria? Só tem espaço para uma. Tem uma reportagem ótima com duas páginas essenciais? O leitor não vai ler. Não tem notícia suficiente de Economia para hoje? Se vira porque tem quatro páginas para preencher. Coloca qualquer coisa da agência. Há 10 anos, já não fazia sentido manter esse método gesseiro de produção. Continuaram. Hoje, jornal impresso é motivo de piada. Um elefante na sala. E nossa sala tem cada vez menos espaço para papel ruim. Também não há mais espaço para veículos engessados, presos a regras semirreligiosas de produção, edição, diagramação e publicação. O

texto completo

O elogio da mediocridade

Paulo Rebêlo (*) Observatório da Imprensa, 22.fevereiro.2005 Mesmo para quem não lê jornal e não assiste TV, foi difícil não se inteirar da balbúrdia que os veículos de comunicação fizeram com a vitória de Severino Cavalcanti. Vale o registro da Folha de S.Paulo, em editorial de 16 de fevereiro, tachando-o de “candidato sem estatura política, retrógrado e inexpressivo, que se especializou em negociações menores no dia-a-dia da vida parlamentar”. Foi quase um elogio. O leitor mais atento, porém, talvez consiga perceber que alguns jornais estão achando ótima esta vitória. É uma nova oportunidade para certas publicações – e colunas – voltarem a propagar aquela equivocada noção de que o Nordeste, principalmente Pernambuco, é o grande beneficiado desta politicagem. Politicagem, aliás, que é a cara do que o governo federal vem fazendo nos últimos dois anos. A interpretação é simples: o presidente da República e o da Câmara são pernambucanos; o presidente do Senado (Renan Calheiros) é alagoano; e o 1º secretário da Câmara (Inocêncio Oliveira) também é pernambucano. Para um Sul-maravilha rico e poderoso, até que estamos bem na fita. Bem o suficiente para propagar o conhecido ufanismo, digno da mais Polyanna das Polyannas, de que o Nordeste é o

texto completo

Site Footer

Sliding Sidebar

Instagram