Empresas de PE não sabem exportar pela internet

Um estudo divulgado pelo consultor Steven Smrekar Albuquerque revela uma situação que o mercado de tecnologia em Pernambuco já suspeitava: as empresas locais não sabem usar a internet de forma eficiente para conquistar novos clientes internacionais. Na dissertação “A influência da Internet no gerenciamento de marketing em empresas exportadoras”, Steven selecionou as companhias locais de pequeno e médio porte, seguindo o critério de que as exportações não poderiam ultrapassar o valor de R$ 1 milhão e excluindo as filiais de multinacionais.

texto completo

Turbine seu Natal com jogos para PC

Paulo Rebêlo Folha de Pernambuco – 14.dez.2005 Em dúvida sobre um bom presente para as festas natalinas? Não pense duas vezes, compre um jogo para PC e faça uma alegria em dobro: a sua e a do presenteado. Durante os últimos meses deste ano, as desenvolvedoras de games aceleraram a produção e hoje as lojas dispõem de uma série de títulos novos, dentre os quais haverá pelo menos um que lhe faça perder algumas horas semanais em frente ao monitor. Tem de tudo: ação, estratégia, tiro, terror, corrida… A Folha Informática testou alguns. Veja também os macetes para usar na hora do aperto. É clichê dizer que os jogos estão cada vez mais cinematográficos, com enredos também semelhantes a roteiros de cinema. Afinal, o setor de games é uma das indústrias nas quais inexiste o termo “crise” ou “recessão”. Em cálculos de hoje, movimenta quase US$ 10 bilhões, um valor superior ao movimentado pelos filmes de Hollywood, de acordo com o levantamento Global Entertainment and Media Outlook 2004/2008. Com tanto dinheiro e tanta gente se dando bem, o processo óbvio é que a festança se reflita na qualidade dos games. Mesmo quando o jogo é ruim, às vezes faz parte

texto completo

Xbox 360 não vem para o Brasil

O Brasil pode dar adeus ao Xbox 360, o novo console de videogame da Microsoft. A empresa não vai e nem pretende lançar o produto no mercado brasileiro. Fontes da própria empresa, no Brasil e nos Estados Unidos, garantem que a carga tributária (impostos), o alto índice de pirataria e a falta de incentivos do governo isolam o País do mais potente videogame da atualidade. O Xbox 360 foi lançado ontem no varejo americano e, até o final deste ano, chega ao Japão e à Europa – incluindo Portugal. Para quem quiser sonhar, resta apenas a opção de importar legalmente o produto de outros mercados ou sofrer na mão do contrabando. Paulo Rebêlo Folha de Pernambuco – 23.novembro.2005 Mesmo assumindo que não haverá lançamento no País, a Microsoft trouxe para a capital paulista vários exemplares do Xbox 360 para apresentação na feira EGS (Electronic Game Show) realizada entre os dias 19 e 21 deste mês. O estande da empresa foi o maior e mais concorrido deste evento, que nasceu no México e foi realizado pelo segundo ano consecutivo no Brasil. Quatro videogames ficaram disponíveis para testes de três minutos, desde que o candidato se dispusesse a enfrentar a fila –

texto completo

Xbox: controle vai funcionar no PC

Folha de Pernambuco – 02.nov.2005 Adeus aos improvisos. A Microsoft acaba de divulgar o novo controle do Xbox 360, console de última geração que deve chegar ao mercado no próximo mês. O joystick vai funcionar no videogame e no computador, pela entrada USB, adaptando-se ao sistema operacional Windows como se fosse um controlador específico para o PC. O usuário vai precisar apenas fazer o download do driver e instalar. Não é de hoje que controles de videogame são cobiçados pelos fãs de jogos no PC. Com a demanda, foram surgindo as “adaptações” para tornar o joystick de diferentes plataformas, como Playstation e GameCube, compatíveis com o micro. Nem sempre funciona direito, mas quebra o galho. Agora, com a investida da Microsoft, espera-se que outras fabricantes sigam o mesmo caminho. Nos Estados Unidos, o novo joystick já está à venda por U$ 40. Ainda não há previsão de lançamento no Brasil, mas o produto pode ser encontrado em sites de comércio eletrônico para importar. Na Europa e na Ásia, o controle deve chegar pelos próximos dias. O driver para instalação está disponível no site do Windows Update ou na biblioteca de hardware da Microsoft.

texto completo

Eletrônicos pela metade do preço

Um projeto polêmico, para dizer o mínimo, circula entre os corredores dos ministérios da Fazenda e do Desenvolvimento. Trata-se de um estudo para reduzir drasticamente as alíquotas (taxas) de importação dos produtos industrializados que entram no Brasil, uma iniciativa que pode cortar os preços de eletrônicos e materiais de tecnologia e telecomunicações em até 50%, a depender do caso. Na última ponta, diminui o valor pago pelo usuário final para comprar um computador e outros acessórios, visto que quase tudo do setor é importado. O projeto ainda não virou lei, mas o Ministério da Fazenda confirma o estudo e a intenção de levá-lo a discussão até mesmo nas Nações Unidas. Setores da indústria nacional são contra e criticam a idéia. Confira a opinião de especialistas e como a redução das taxas poderia mudar o cenário da Tecnologia da Informação no País. Paulo Rebêlo Folha de Pernambuco, 21.setembro.2005 Comprar produtos de outro país é uma faca de dois gumes para o usuário final. O assunto já foi, inclusive, abordado em reportagem da Folha Informática em maio deste ano, com toda a problemática dos impostos pagos. Quando a importação é industrial, em larga escala e com fins comerciais, os custos com a

texto completo

Receita apreende mercadorias

A Receita Federal apreendeu quase R$ 400 mil em mercadorias ilegais nos centros de distribuição dos Correios, considerados como as principais rotas para o comércio ilegal de produtos eletrônicos e de informática vendidos pela Internet. Batizada de Leão Expresso, a operação ocorreu na semana passada e deixou muito internauta sem receber produtos adquiridos pela Web. Vale lembrar que não são todos os produtos comprados na Internet sujeitos à apreensão, apenas os oriundos de contrabando ou em outras situações ilícitas. A dica é evitar comprar em lojas sem credibilidade, principalmente aquelas que compram de lugares como o Paraguai ou que não enviam notas fiscais. O chefe da Divisão Nacional de Combate ao Contrabando e à Pirataria da Receita Federal, Mauro de Brito, explicou que “o comércio pela Internet está crescendo cada vez mais e, por isso, esses crimes estão cada vez mais freqüentes”. Ele ainda explicou a Receita vai continuar com as operações e que ainda poderão incluir outros pontos de distribuição, como portos e aeroportos.

texto completo

Site Footer

Sliding Sidebar

Instagram