Gringo é a mãe

Paulo Rebêlo Terra Magazine * 08.fevereiro.2011 Eu aceito – e entendo – quando ninguém do hemisfério norte acredita que sou brasileiro. Com a benção do futebol e das globelezas, os estereótipos de 500 anos seguem firmes e fortes por mais 500. Só nunca vou aceitar – e nem entender – como o Brasil tem metade da população de cor branca e, a esta altura do campeonato, já com meus primeiros fios brancos da barba à paisana, eu ainda precise explicar que não sou gringo. Jogue-me no pelourinho ou na praia. Em qualquer ponto turístico. Até no Piscinão de Ramos. Se eu não fosse tão baixinho e buchudinho, sairia no tapa com o primeiro cidadão que tenta me vender uma rede fuleira por duzentos reais ou um acarajé seboso por cinco euros. Quase nunca vou à praia. Pelo mesmo motivo que não como caranguejo. Não é alergia, é apenas preguiça. De me explicar pela milionésima vez e de bater o martelinho mil vezes. Quando vou a qualquer praia, basta puxar meu Sundown fator 50 ou tirar minha camisa de botão. Parece uma sirene do Samu, o vendedor vem correndo em minha direção. Para oferecer uma caipirinha. Aparentemente, vendedor de praia não percebe

texto completo

O mundo é uma bola

Em uma ruazinha escura na parte alta de Budapeste, encontrei uma taberna belga onde, quase sempre, eu parecia ser o único cliente disposto a voltar. De todos os colegas que levei, só dois ou três admitiram ter gostado, mas ninguém pedia para voltar. Gostava não apenas pela cerveja e pelo tempero diferente, mas porque o dono, um senhor belga de poucas palavras, sempre colocava um jazz bem tradicional para ouvir. E foi ali que mentalmente precisei pedir desculpas a Thomas Friedman e seu excelente livro-argumento de 2005 de que o mundo é plano. Não é. Friedman diz (no livro) que precisou ir à Bangalore para entender como a globalização tem mudado os conceitos socioeconômicos e que hoje o mundo tornou-se plano. Sorte a dele. Porque eu precisei de bem mais do que algumas, talvez muitas viagens ao desconhecido para achar que o mundo é só uma bola. E de uma música ridícula para ter certeza. Depois de cinco litros de Leffe Blond, uma iguaria dos mestres cervejeiros belgas, sai da caixa de som a voz sintetizada de Dido, uma insossa e magrela cantora britânica. Devo ter perdido o horizonte por uns minutos e o máximo que pude responder a meu curioso interlocutor

texto completo

Budapest: the little giant

Paulo Rebêlo The Budapest Sun – 14.mar.2007 Is Budapest a big city? It depends on whom you ask. One of the demographic oddities of Latin American countries is the general absence of medium-sized cities. We have huge metropoli – usually capital of a State – where most people live nowadays. And then we have thousands of small cities, especially in the rural areas. In Brazil, this is particularly odd, because the landmass has such continental measures that, in theory, we should have more medium-sized cities and less populated mega- cities.

texto completo

The Budapest Billing Game

Paulo Rebêlo The Budapest Sun – 14.fev.2007 – link original You have just finished a delicious duck breast with croquette potatoes. You are feeling good after the nice wine, directly from the Hungarian countryside. The palacsinta pancake for dessert was marvelous. You are full, your belly feels happy (and bigger) and all you want on Earth right now is to pay the bill, go home and have a good night’s sleep. There’s only one problem: you can’t leave the bloody place. No matter how hard you try to look for the waiter, or raise your hand once in a while, no one will see you. No one will notice that you are done and want to actually pay; they will make you wait until a good soul finally comes to see if you need anything. When they realize you just want to pay and leave, they will make you wait again. And then a bit more.

texto completo

Oh, for the love of Gábor!

Paulo Rebêlo The Budapest Sun – 21.dezembro.2006 link original The holiday season is a time when people get along more, cherish each other and even find themselves to be a little more romantic. In other words, it means that nine months from now we’ll be seeing hundreds and hundreds of shiny-lovely-little-Hungarians being born in Budapest. It is the joy of nature, the magic of procreation. There is only one minor problem: they will all be called Gábor. In the beginning of my stay around the city, I thought it was just my personal impression, perhaps the wrong stereotype that we, as foreigners, commonly carry about a place we don’t know. Perhaps it was by chance that I was meeting dozens of Hungarians with the same name, five out of 10 called Gábor. But after few months and a few wines shared with a lot of Gábors later, I have realized there is an ancient and unsolved mystery in Hungary about people’s names. And it should remain unsolved, because it seems no one can clearly explain why on Earth this happens in Hungary. Some say it’s due to the role of having the family name before the first name. Hard to

texto completo

Hungria se despede do irmãozinho

Paulo RebêloFolha de S. Paulo – 18.nov.2006 (link original) BUDAPESTE – A morte de Ferenc Puskas, chamado de Öcsi (irmãozinho) pelos húngaros, causou grande mobilização ontem em Budapeste, com autoridades correndo para fazer anúncios públicos no rádio e na TV. O primeiro-ministro da Hungria, Ferenc Gyurcsány, classificou o ex-jogador como o húngaro mais conhecido do século 20. “Com ele dizemos adeus à era mais gloriosa do futebol húngaro. Sabíamos que Puskas Öcsi estava muito doente, mas não poderíamos nunca estar preparados para o seu falecimento”, disse o premiê. O húngaro-brasileiro André Adler, que visitou Puskas pouco depois da internação na UTI, faz parte de uma geração que sentiu o orgulho pátrio no máximo com Puskas. “Cresci no Brasil, orgulhoso de tê-lo como a melhor explicação do meu país.” Um dos companheiros de Puskas na seleção húngara, Jeno Buzanszky considera a morte uma tragédia. “O maior esportista deste país se foi.” Na semana retrasada, quando Puskas ainda mostrava sinais de que poderia ter seu quadro de saúde estabilizado, a revista “Matala” publicou uma lista dos 50 húngaros mais ilustres de todos os tempos. No topo do ranking, o astro foi definido assim: “Só os húngaros discutem se Puskas é o maior

texto completo

Heaven turns in on itself – opinion

The Budapest Sun – 09.nov.2006 ( link original ) I’ve already seen many dead bodies in my life. I’ve played pool with convicted murderers. I’ve seen a guy being stabbed in the chest right at my side. I’ve got drunk with pirated whisky and hot beer. The list of bad things I have seen is not short. But I have never before come so close to seeing heaven turn itself into hell as I did while covering the recent riots in downtown Budapest. Even though I’ve been living in the city for fewer than four months, and still feel a little like a lost foreigner, I felt ashamed seeing the places I had learned to like so much being transformed into a raging arena. I can’t stop wondering how the ordinary Hungarian felt after waking up the day after the Oct 23 riots and seeing his country so badly shaped on the front pages of newspapers and TV shows around the world. As for me, as weird and selfish as it might sound, I had to explain to my pals back in Brazil that the Budapest they were seeing on TV was the same “beautiful and peaceful Bp” I usually

texto completo

Budapeste vira praça de guerra nos 50 anos da revolta

Polícia reprime protesto com bala de borracha; manifestantes jogam explosivos. Oposição conservadora boicota atos oficiais e insiste na renúncia do premiê socialista, que mentiu sobre as contas públicas. Paulo RebêloFolha de S. Paulo – 24.out.2006 [ link original ] A Hungria parou. Deveria ter sido um dia de festa e reflexão nas comemorações da Revolução de 1956, a revolta democrática e anti-soviética que ontem completou 50 anos. Mas, em vez de festa, os húngaros viveram um cenário de violência sem precedentes desde o dia em que a rebelião foi reprimida pelos tanques russos, duas semanas depois de começar. Jovens enfurecidos, policiais sem controle, bombas caseiras, gás lacrimogênio, balas de borracha atiradas a esmo, idosos desmaiados, crianças correndo desesperadas, adultos sangrando, dezenas de feridos. As ruas no centro de Budapeste viraram praça de guerra, sem distinção entre manifestantes pacíficos ou extremistas. Logo cedo, um incidente na Praça do Parlamento envolvendo manifestantes que acampam no local desde meados de setembro, quando começaram os protestos contra o governo do primeiro-ministro Ferenc Gyurcsany, foi minimizado pela polícia. Durante o resto da manhã, famílias inteiras saíram de casa segurando a bandeira da Hungria, em protestos pacíficas contra o premiê do Partido Socialista (ex-comunista), que admitiu

texto completo

Protestos húngaros trazem ecos da Revolução de 1956

Desencanto de hoje contrasta com anseios libertários da revolta anti-soviética. Oposição ao governo do PC reformado evoca fantasma do comunismo; aniversário será comemorado com 50 delegações estrangeiras. Paulo Rebêlo Folha de S. Paulo – 22.out.2006 [ link original ] BUDAPESTE – Nas últimas semanas, a Hungria saiu do anonimato recente para a primeira página de jornais mundo afora. Protestos, instabilidade econômica, críticas ferozes ao governo e a emergência de uma extrema-direita em um país que, ainda hoje, é considerado o mais socialmente estável do antigo bloco comunista europeu. Diante da crise, não demorou para que grupos políticos desenterrassem o fantasma do comunismo (que caiu em 1989) por meio de memórias da Revolução Húngara de 1956, cujo aniversário de 50 anos é celebrado amanhã. Para uma série de historiadores, a revolução foi o gatilho para a derrocada do império soviético. Ou, nas palavras do montenegrino e comunista dissidente Milovan Djilas, morto em 1995, “o início do fim do comunismo”. No final de outubro de 1956, milhares de estudantes e trabalhadores se rebelaram contra o domínio soviético e a falta de liberdades civis na Hungria. Os protestos duraram até o início de novembro, com a estátua de Josef Stálin derrubada em Budapeste.

texto completo

Site Footer

Sliding Sidebar

Instagram