Vestidos e unhas

Paulo Rebêlo // outubro.2007 Pessoas têm fetiches. Certos fetiches são estranhos, mas pessoas também são estranhas. Há fetiches clássicos, como transar no elevador, no motel de beira de estrada, dentro do carro, em pé na rede da sala, no alto da roda-gigante, no banheiro do avião, em cima de um vagão de trem ou dentro de uma piscina de cerveja.

texto completo

Pequenas burguesas, grandes afeições

Paulo Rebêlo // fevereiro.2007 Janeiro é quando as pessoas costumam fazer aquelas listas inúteis de prioridades. É sempre a mesma coisa, em fevereiro a gente nem lembra mais da lista e no final do ano não fizemos metade do que imaginamos. E no próximo ano, o ciclo se repete e, num piscar de olhos, uma década se passa e a gente ainda não escreveu aquele livro, não plantou aquela árvore e não fez aquele filho. (oficialmente) Em vez de perder cinco minutos pensando sobre nossos feitos e desfeitos, poderíamos perder cinco minutos refletindo sobre os feitos e desfeitos das outras pessoas na nossa vida e fazer uma lista de prioridades contra elas. É que depois de alguns anos, a gente olha para trás e percebe que, afinal, aquelas burguesas e patricinhas não eram tão burguesas e patricinhas assim. Hoje, quem sabe, tenham se transformado em donas-de-casa.

texto completo

Apocalipse a 10 mil metros de altura

Paulo Rebêlo // setembro.2006 Mulheres bonitas deveriam ser terminantemente proibidas de viajar de avião. Como uma lei neste sentido me parece pouco plausível, acredito que as companhias aéreas poderiam, pelo menos, criar uma área diferenciada dentro da aeronave para abrigar essas criaturas. Similar ao que acontecia antigamente, quando havia divisão entre fumantes e não-fumantes.

texto completo

Réveillon e as pombas da discórdia

Enquanto o natal exerce o dom de evidenciar o que há de mais hipócrita, demagogo e às vezes incrivelmente falso nas pessoas, a virada de ano parece ter um poder inversamente proporcional. Chega a ser estranho ver algumas pessoas bebendo tanto, após um ano inteiro de sobriedade. É como se o réveillon gerasse um efeito similar ao que ocorre nas mulheres durante as festas de formatura (delas) ou antes de casar: tomam todas até cair, como se o dia de amanhã fosse trazer uma iluminação dos céus. No entanto, engana-se quem pensa que a bebedeira descontrolada do ano-novo atinge apenas os leigos. Não é incomum ver profissionais papudinhos caindo na mesma armadilha. Justamente por isso, diferentes histórias de réveillon possuem um contexto bem similar. Sempre há bebedeira e constrangimentos. Três causos ilustram bem a semelhança etílica desta época do ano. Veremos uma por dia, até 1 de janeiro.

texto completo

Geladeira Tamagotchi

Paulo Rebêlo // julho.2003 Eu só queria trocar de geladeira. Quer dizer, eu não queria trocar de geladeira, mas precisava. A nova teria que ser maior. Igualzinha à anterior, só que maior. Quando fiz minha primeira mudança, deixei claro para meu alter-ego ranzinza que não precisaria de eletrodomésticos da última geração, cheios de novidades técnicas que a gente nunca usa.

texto completo

Site Footer

Sliding Sidebar

Instagram