Resgate e preservação da identidade cultural

flip134POPULAR // Prêmio da Funarte viabaliza a realização de oficinas culturais gratuitas no ponto de cultura Lia de Itamaracá

Paulo Rebêlo
Diario de Pernambuco
03.março.2009

A partir deste sábado, a atriz Cinthia Mendonça e o mestre Luiz Paixão prometem enriquecer os ares da Praia de Jaguaribe, na ilha de Itamaracá. Até o mês de maio, durante todos os sábados, os dois promovem oficinas artísticas para jovens e adultos, gratuitamente. Trata-se de um projeto fruto do Prêmio Interações Estéticas e Residências Artísticas em Ponto de Cultura, da Fundação Nacional de Artes (Funarte) em parceria do Ministério da Cultura.

Mediante inscrição, as oficinas são abertas aos moradores da ilha e de fora, mas com vagas limitadas por causa do material didático e de apoio. O ponto de cultura Lia de Itamaracá será a base dos artistas, onde já ocorre uma extensa programação cultural. Durante os três meses de “residência”, os alunos vão poder participar da criação de um espetáculo por meio de colaboração, de acordo com as demandas surgidas durante o programa. Eles irão atuar, tocar, dançar e colaborar na concepção de figurinos, adereçose instrumentos – ou ainda na elaboração do roteiro dramatúrgico.

Mineira da cidade de Lavras e residente do Rio de Janeiro, a atriz Cinthia Mendonça irá apresentar o projeto Obra de terreiro, uma ação de interação de técnicas do teatro contemporâneo com manifestações populares. Na prática, são oficinas de teatro voltadas à experimentação corporal, utilizando a estrutura dinâmica da ciranda.

A proposta é criar um espetáculo inteiramente musical, em três capítulos, onde a Ciranda norteie a dramaturgia. “Vou usar uma técnica não muito conhecida (viewpoint), criada na década de 70 e atualmente adotada com frequência no teatro contemporâneo. Mas é uma técnica simples de ser aplicada”, garante.

De acordo com a atriz, o ponto cultural Lia de Itamaracá é um espaço perfeito para a proposta por conta da arena que existe lá dentro. “A arena propõe movimentos circulares, vamos começar com o reconhecimento do corpo, depois a relação entre corpo e espaço, dialogamos com a ciranda e o espaço circular”, antecipa. Cinthia Mendonça integrou o grupo de dança Ritmos, em Resende-RJ, de 1995 a 2000. Formou-se em Direção Teatral na Escola de Comunicação da UFRJ e trabalha como produtora de eventos e produção executiva de curtas-metragens.

Rabeca – Luiz Paixão é mestre rabequeiro de Aliança, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, mas mora atualmente em Condado. Ele se junta à Cinthia já a partir de amanhã, quando devem seguir para Itamaracá e concluir os últimos ajustes no ponto de cultura.

Paixão irá apresentar o projeto Cavalo-marinho: O universo fantástico, humano e animal da poética popular. Serão oficinas de dança (galantes), música (banco), personagens (figuras) e rodas de saber, que são uma uma série de encontros abertos com participação de vários mestres, para divulgar e motivar a formação de grupos de cavalo-marinho. Como bem define a produtora da oficina, Lia Menezes, “uma proposta de resgate, preservação e transmissão da identidade cultural pernambucana”.

Mestre Biu Roque, Mestre Inácio, Maíca, Jorge, Mina e Mestre Biaca também vão fazer parte da programação cultural. “Sempre haverá um mestre novo para falar sobre cada especialidade durante os 12 sábados do projeto”, explica Lia Menezes. Após as oficinas, realizadas durante a manhã e a tarde, haverá a apresentação do mestre, em forma de espetáculo. Neste fim de semana, o encerramento contará com um forró liderado pelo próprio Luiz Paixão, aberto ao público, com presença garantida de Lia de Itamaracá para animar a festa.

Serviço
Informações e inscrições:
(81) 9118.6496 // (81) 8898.0846
mestreluizpaixao@gmail.com