Mulheres que roncam

Categories CrônicasPosted on

Paulo Rebêlo | outubro.2008

Mulher que ronca é um charme. Somente as mulheres que roncam sabem dar valor ao merecido descanso do guerreiro. Sobretudo após longas batalhas de uma tarde de sábado com cerveja, caju amigo e feijão preto.


Mesmo que elas não participem de nossas batalhas, elas reconhecem como uma pessoa muito cansada pode, ocasionalmente, roncar em altos decibéis e mesmo assim dormir feito um anjinho do apocalipse.

E o melhor de tudo: elas nunca podem reclamar que a gente ronca demais.

A mulher que ronca é uma mulher que atingiu um patamar diferenciado na escala hierárquica de qualidades vislumbrantes. Com o passar do tempo, você até se acostuma a dormir com aquela canção de ninar ao pé do seu ouvido. E vice-versa.

A mulher que ronca, em geral, bebe ou se esforça para aprender. Fato o qual, por si só, eleva a fêmea a um degrau superior na escala evolutiva.

Se ela fizer do ronco um hábito, certamente significa similar evolução no patamar gastronômico, ou seja, aprendeu a gostar de uma mão-de-vaca, um pirão com farinha, um patinho com charque, um chambaril com tutano ou uma gordura com picanha. Comidas suaves, pensadas pelo Criador como um apêndice de uma noite bem roncada.

A mulher que ronca pode pedir o divórcio por diversos motivos, mas nunca por reclamar de não conseguir dormir direito. De certa forma, é um relativo conforto para nós.

E por falar em conforto, a cumplicidade do casal é bem mais fácil quando a mulher ronca. Naquelas noites de insônia, você sabe exatamente o melhor momento de deixar a cama e ir para a sala ler um livro. Na hora em que ela aciona a turbina do avião ou do tratorzinho agrário, você desliza pelo lençol sem culpa.

A estratégia também serve para as noites de trabalho acumulado. Você pode pedir por telefone um lanchinho rápido, como um sanduíche de três pães com bacon, maionese e batata palha. Cerca de 20 minutos após a refeição, o sismógrafo caseiro irá apontar o terremoto de 7 graus na escala Richter. Agora você tem a madrugada inteira para escrever, ler os jornais atrasados ou até mesmo assistir um filme de terror com o fone de ouvido.

Mulheres que roncam, não se intimidem. Quando uma colega sua abrir a matraca para dizer o quanto detesta gente que ronca, é pura inveja. No fundo, ela queria roncar também, mas não é capaz. Pois apenas as mulheres que roncam conseguem, apesar de parcialmente, conhecer um pouco mais o sinuoso metaverso masculino.

O único defeito da mulher que ronca é que, como todo ser humano, um dia elas vão embora. E quando este dia chega, você esquece que sempre prometeu gravar o ronco dela, mas nunca o fez. E na hora de dormir, você trocaria todo o seu próprio ronco por uma fita K7 com aquela motosserra voadora.

Acompanhe os textos também pelo facebook.com/hipopocaranga