Testamos o Orkut da Microsoft, o Wallop

Compartilhar

Versão de testes é toda em Flash, mais pesada e com muitos recursos ainda sem um objetivo prático. Idéia é simular um ambiente Windows dentro do site de comunidades, com direito a abas e “Meus Favoritos”.

Paulo Rebêlo
Folha de Pernambuco, 13.julho.2005

Antecipamos aqui os projetos da Microsoft sobre uma nova rede de relacionamentos e comunidades, aos moldes do Orkut, que se encontra em desenvolvimento e pronto para ser aberto para teste público até o final do ano. Hoje, mostramos com exclusividade como funciona o projeto deste MS-Orkut, ainda em fase bem inicial, batizado de My Wallop pelo departamento de pesquisas online da Microsoft.

A tradução de “Wallop” é complicada, visto que a expressão tem vários significados. Pode significar batida forte, pancada, ruído, vender de forma arrasadora e outros termos. Na Inglaterra, Wallop também é gíria que significa “cerveja”. E só mesmo tomando uma cervejinha para entender como funciona a interface do Wallop, pesada e bem complicada.

No início, o usuário perde um bom tempo só para identificar o que “pode” e o que “não pode” ser clicado, além de tentar encontrar uma finalidade prática para cada recurso disponível.

O conceito de rede de relacionamentos é idêntico ao Orkut. A partir de convites, as pessoas vão entrando na sua rede. A diferença é como isso é mostrado na tela. Por enquanto, nesta fase inicial de testes, só dá para usar o Wallop com resolução de tela de, no mínimo, 1024 x 768 – e com a janela do Internet Explorer maximizada, pois algumas telas não possuem barra de rolagem.

Todo o sistema é desenvolvido em Flash, tornando-o mais bonito do que o Orkut, enquanto, por outro lado, tende a irritar quem está com pressa e exige um pouco mais do computador, por ser mais pesado.

Depois de um tempo, dá para se acostumar e desbravar melhor o Wallop. Até então, tudo parece complicado. A Microsoft reuniu várias funcionalidades típicas da internet: blog, upload de conteúdo multimídia, músicas, buscas na internet e até mesmo “feeds” RSS, uma espécie de aglutinador de notícias. O problema é que o Wallop não parece uma página na web, mas um software rodando no Internet Explorer.

O mouse é bem menos utilizado. A maioria das opções simplesmente aparece ao passar o ponteiro por cima das janelas, um recurso conhecido do pessoal mais técnico, chamado de “hover”. As principais opções do Wallop foram criadas para simular um ambiente do Windows, inclusive, com as abas de Minhas Figuras, Meus Favoritos e Minhas Músicas. Agora com o adicional de “Minhas Referências na Web” e “Meu Blog”.