Paulo Rebêlo | agosto.2000

O suporte telefônico destinado aos usuários que obtivessem a licença do Windows ou Office da Microsoft, vai deixar de existir. A partir deste mês de setembro, a Microsoft Corp. cederá apenas duas ligações gratuitas. Depois, será cobrado US$ 35 por ligação. O suporte via telefone da Microsoft sempre foi um grande diferencial. Quem tivesse o Windows licenciado, teria direito ao suporte gratuito por 90 dias, mas os usuários licenciados do pacote Office tinham direito a uma quantidade ilimitada de dias.


A medida, apesar de soar drástica, nada mais é do que o seguimento de uma tendência que vem sendo adotada, há um certo tempo, pela indústria de software.

O alto custo e baixo retorno do suporte telefônico começou a gerar prejuízos às empresas que habilitavam o serviço a seus usuários. Elas alegam que o suporte via Web é mais produtivo, rápido e, evidentemente, menos oneroso. Mas a Microsoft não anunciou quanto economizará.

Com o fim do suporte por telefone, a Microsoft pretende aumentar o número de acessos à sua gigantesca biblioteca de informação na Internet, onde os usuários procurariam as soluções dos seus problemas, além de informações adicionais e relatórios de bugs e correções.

A empresa de Bill Gates prevê 200 milhões de acessos ao suporte online até julho de 2001. De julho de 99 até julho deste ano, foram 140 milhões de acessos registrados, segundo a ZDNet americana.

De acordo com a assessoria da Microsoft Brasil, o fim do suporte gratuito não será estendido ao Brasil, onde as regras, preços e limites continuarão os de sempre.

O COMEÇO —
A moda de suporte telefônico começou no início da década de 80, com a WordPerfect. A empresa começou a fazer nome quando começou oferecendo um suporte gratuito e ilimitado por telefone.

Hoje, a WordPerfect faz parte da Corel Corp. e ambas já abandonaram o serviço de suporte gratuito, assim como diversas outras empresas de software. Em contrapartida, o suporte via Web é uma verdadeira biblioteca de informações e tira-dúvidas.