O Globo x Sport Recife

by

A capa que revoltou os pernambucanos torcedores do Sport é, diga-se de passagem, um primor do jornalismo esportivo.

Para o torcedor, é compreensível que o deboche mexa com os brios e com o regionalismo que só aparece em causas de pouca importância na região. A comentada capa saiu na segunda-feira, 11 de junho, um dia após o time pernambucano perder – de novo – para um time carioca. Os animadores de festa não gostaram. Dirigentes ameaçaram processar o jornal e o editor de Esportes. Os torcedores do Santa Cruz e do Náutico acharam a maior graça.

Fato é que a capa está engraçada e não falta com a verdade. A campanha do Sport tem sido deprimente e só fez animar a festa dos cariocas.

Reclamaram que se o time em questão não fosse nordestino, o Globo nunca teria publicado uma capa dessas. Poderia ser um argumento plausível – o eterno preconceito contra os nordestinos – mas é apenas mais uma manifestação da síndrome de vira-lata que Nelson Rodrigues eternizou. O Globo publica diversas capas do mesmo estilo, inclusive, com os próprios times cariocas.

Não é todo dia que o mesmo time é a mãe para o gol mil de Romário e, logo em seguida, joga aquele futebol medíocre contra o Fluminense que acabara de ganhar um título importante. Aliado a isso, uma campanha desprezível até agora.

No final das contas, a capa do Globo serviu para mostrar novamente que é possível, sim, aliar criatividade com dever jornalístico. Não à toa, o Globo é um dos jornais mais premiados no mundo no quesito arte/diagramação. E em todo jornal, é justamente o caderno de Esportes que dá um banho de criatividade nos demais, com capas brilhantes que colecionam prêmios.

Vale a pena publicar uma das minhas capas de Esportes prediletas: o ULTRA ZICO. Foi durante a Copa do Mundo 2006, no dia da partida entre Brasil x Japão, jogo que a Seleção Brasileira ganhou na marra.

  • Jaciana

    Mas que bobagem se chatear com uma brincadeira feita pelo jornal. Eu por exemplo, que não torço para time nenhum, achei super engraçadinha a brincadeira e não acredito que tenha alguma coisa a ver com rpeconceito com os nordestinos.
    Tem gente que é neurótica, não?