Hungria se despede do irmãozinho

by

Paulo Rebêlo
Folha de S. Paulo – 18.nov.2006 (link original)

BUDAPESTE – A morte de Ferenc Puskas, chamado de Öcsi (irmãozinho) pelos húngaros, causou grande mobilização ontem em Budapeste, com autoridades correndo para fazer anúncios públicos no rádio e na TV. O primeiro-ministro da Hungria, Ferenc Gyurcsány, classificou o ex-jogador como o húngaro mais conhecido do século 20. “Com ele dizemos adeus à era mais gloriosa do futebol húngaro. Sabíamos que Puskas Öcsi estava muito doente, mas não poderíamos nunca estar preparados para o seu falecimento”, disse o premiê.

O húngaro-brasileiro André Adler, que visitou Puskas pouco depois da internação na UTI, faz parte de uma geração que sentiu o orgulho pátrio no máximo com Puskas. “Cresci no Brasil, orgulhoso de tê-lo como a melhor explicação do meu país.”

Um dos companheiros de Puskas na seleção húngara, Jeno Buzanszky considera a morte uma tragédia. “O maior esportista deste país se foi.” Na semana retrasada, quando Puskas ainda mostrava sinais de que poderia ter seu quadro de saúde estabilizado, a revista “Matala” publicou uma lista dos 50 húngaros mais ilustres de todos os tempos. No topo do ranking, o astro foi definido assim: “Só os húngaros discutem se Puskas é o maior húngaro vivo, pois o resto do mundo sabe muito bem que ele é. Não podemos decidir se ele é o sexto ou sétimo melhor jogador de futebol. Mas, quando ele nos liderava, nós podíamos vencer o mundo”.